O Morto-Vivo - Teatro

Cenrio: Consultrio mdico

Cena: O mdico acaba de consultar o paciente e vai passar-lhe a "receita".

MノDICO: ノ meu velho, eu no tenho boas notcias para voc no.

ASTROGILDO: (se arrumando, colocando a camisa, se abotoando, etc) - Fale logo doutor. No precisa esconder nada de mim. Eu j estou preparado para o pior. Para ser franco, eu at j escolhi a cor do meu caixo.

MノDICO: E para ser franco. A coisa para o seu lado est esquisita. Note bem, o teu corao j no bate mais (s apanha) a sua pulsao cessou por completo. Cientificamente voc est morto. Entendeu? Mortinho da Silva. Alis, eu nem sei o que voc est fazendo em p. Lugar de gente morta no cemitrio e deitada.



ASTROGILDO: ノ que eu sou teimoso... Mas doutor, vamos deixar de piadas. Vamos falar srio. Afinal o que que eu tenho?

MノDICO: Ora Astrogildo, ento voc acha que um mdico de minha categoria, que j participou de congressos na Holanda tem tempo de ficar brincando. Se eu disse que voc est morto, eu estou falando srio.

ASTROGILDO: Mas como? Que conversa mais besta doutor!!!

MノDICO: Est bem. Voc quer provas no mesmo? Pr voc no dizer que eu estou mentindo, coloque a mo no corao.

ASTROGILDO: (coloca a mo, para sentir as batidas).

MノDICO: Sente alguma coisa? Alguma possvel batida?

ASTROGILDO: Sinto no, doutor. Meu Deus, o que ser isso?

MノDICO: Agora tente sentir o pulso.

ASTROGILDO: (tentando sentir a sua pulsao).

MノDICO: Sente alguma coisa?

ASTROGILDO: Nadinha... (faz cara de assustado).

MノDICO: ノ como eu disse meu caro. O senhor est morto e eu estou lhe informando. Apenas isto. O senhor est morto e no sabia. Cabe a mim como mdico, dar-lhe a notcia.

ASTROGILDO: Mas como assim doutor?

MノDICO: Lembra daquele remdio que eu venho te receitando h tempos? Ele a nica soluo.

ASTROGILDO: No doutor. Aquele remdio eu no quero.

MノDICO: Ento no posso fazer mais nada por voc. Voc est morto.

ASTROGILDO: Mas doutor, pensa bem... O que que eu digo l em casa? Ningum vai acreditar em mim. Imagina s. Eu chego em casa, reuno a famlia e digo: Pessoal, eu estou morto. Ora doutor...

MノDICO: Fique calmo Astrogildo. Eu j pensei nisso tambm. E por causa disso que eu estou assinando o seu atestado de bito. (Assina o atestado e entrega para o paciente). Aqui est. Agora v para casa e comunique sua famlia. E no se esquea de convidar os amigos para o enterro. T?

ASTROGILDO: (desolado) T bom... Mas doutor, o senhor tem certeza de tudo o que est me dizendo? Eu t morto mesmo???

MノDICO: ...da Silva, meu amigo. Mortinho da Silva. Deve ser teimosia. Voc logo se acostuma, a ser mais fcil. タ propsito, deixe-me fazer-lhe uma pergunta: O senhor pretende ser enterrado amanh ou depois?

ASTROGILDO: No sei. Mas eu no vou me esquecer de avisar o senhor. Pode ficar sossegado. (Sai triste, demorando para chegar na porta).

Cenrio: Apaga-se a luz do consultrio. Apenas um foco de luz acompanha Astrogildo caminhando cabisbaixo enquanto ouve-se a Marcha Fnebre. Astrogildo para junto com a msica (1a parada).

ASTROGILDO: (falando sozinho). Mas no possvel. Eu no posso estar morto. Estou em p. Estou falando. O que aconteceu comigo?

Cenrio: Recomea a Marcha Fnebre. Astrogildo caminha cabisbaixo at a 2a parada. A msica para de novo.

ASTROGILDO: (falando sozinho). Mas eu estou aqui com o atestado de bito! E no ouvi meu corao! O que vou dizer em casa? Tenho que contar a eles...

Cenrio: Recomea a Marcha Fnebre. Astrogildo caminha para o segundo cenrio, a sala de sua casa, onde encontra sua mulher. A msica pra. As luzes acendem.

ASTROGILDO: Oi ...

MULHER: Cruz credo Astrogildo, mas que cara de defunto essa?

ASTROGILDO: U! Voc j sabe? Quem te contou? Aposto que foi a Dona Maria Gorda, nossa vizinha.

MULHER: Ningum me contou nada! Mas vamos l meu velho, conte o que aconteceu. Por que que voc est com essa cara?

ASTROGILDO: Eu falo. Mas quero todos reunidos aqui na sala. Agora eu quero uma reunio familiar para dar a notcia de uma vez s, sem ficar repetindo toda hora.

MULHER: Ora, Astrogildo. Deixe de fazer velrio e conte logo. Voc nunca foi de reunir a famlia.

ASTROGILDO: Zenaide... chama logo os nossos filhos. Por favor respeite os mortos.

MULHER: Mortos? T bom. (chamando os filhos) - Miiickiiii... Riquinhoooo. Venham aqui que o papai quer falar com vocs...

MICK: (gritando de fora do palco) Agora no! Tenho que estudar!

RICKINHO: (gritando de fora do palco) Mais tarde! Estou jogando video-game!

MULHER: ノ. Vou Ter que mudar de ttica. (grita:) O almoo est na mesa !!

MICK: (entrando correndo junto com Rickinho) Ai que fome! Onde est? Cad a comida?

RICKINHO: At que enfim o almoo! Meu prato ...?

MULHER: Seu pai quer falar com vocs.

MICK: Oi, pai. O que voc tiver que me contar, conta logo porque eu preciso estudar. Preciso aproveitar para estudar enquanto estou viva.

RICKINHO: Fala a, meu coroa. Qual o lance?

MULHER: Muito bem, Astrogildo. J estamos todos aqui. Qual a notcia?

ASTROGILDO: Bem, o negcio o seguinte: (pausa) - Bem, o negcio o seguinte... (sem saber como entrar no assunto) - Bem, acho que vocs no vo acreditar, mas eu... mas eu...

Rickinho, Mick e a mulher em coro: FALA LOGO!

ASTROGILDO: Calma eu vou falar! ノ que eu estou morto! Isto mesmo! Eu morri.

Rickinho, Mick e a mulher juntos do uma boa gargalhada.

ASTROGILDO: Escutem aqui, seus escarnecedores debochados. Eu no disse nenhuma piada. Eu estou falando srio. (eu sabia que ningum iria me acreditar).

RICKINHO: Essa foi boa pai. Conta outra. Depois eu quero contar a ltima que eu ouvi l na escola.

MICK: Acho que vou voltar para os meus cadernos. Posso ir?

ASTROGILDO: Est bem, seus patetas. Vocs pensam que eu estou brincando, no mesmo? Ento leiam isto. (Entrega o atestado de bito para a mulher).

MULHER: (lendo o atestado). Sr. Astrogildo Gergolomano Souza Santos de Souza, casado, brasileiro... casa mortis... parada cardaca... Meu Deus, ento verdade! (exclama caindo sentada na poltrona).

ASTROGILDO: Viram s como eu no estava brincando? O papai aqui est mais morto que a mmia do Egito. Venha c minha filha... sinta as batidas do meu corao.

MICK: (colocando o ouvido no peito do pai) Meu Deus! No est batendo. (assusta-se). Me, o pai est morto mesmo!

ASTROGILDO: Agora voc, meu filho. Sente o meu pulso. Afinal voc est fazendo cursinho de medicina.

RICKINHO: (com dificuldade em achar o pulso) ノ mesmo incrvel. Est mais parado que o ataque do Internacional!

ASTROGILDO: (triunfante). Ento seus Toms... Acreditam agora? Vocs no vo chorar? Se vocs gostam de mim, tem que chorar. Chorem! Vamos...

Mick e Rickinho se abraam e choram artificialmente s para agradar o pai. Astrogildo percebe e desaprova.

MULHER: Mas como isso Astrogildo? Como que voc est morto, se voc est vivo? Quer dizer... Ah! Eu no quero dizer mais nada! Que confuso!

ASTROGILDO: O mdico falou que de teimosia, mas que depois que eu me acostumar, a coisa fica bem mais fcil.

MICK: Mdico? Quer dizer que o senhor foi ao mdico e no nos contou nada?

ASTROGILDO: Claro! E quem voc acha que assinou o atestado de bito? O Orlando aougueiro? E como que eu iria ficar sabendo que estou morto?

RICKINHO: O senhor por acaso pagou a consulta, pai?

ASTROGILDO: Claro que paguei. Acha que eu sou algum caloteiro?

RICKINHO: Ento me desculpe, mas o senhor muito burro. Onde j se viu um morto pagar a consulta?

ASTROGILDO: (caindo em si). Sabe que voc tem razo? Alm de defunto-vivo eu sou um morto-burro.

MULHER: Mas como que voc fica discutindo com seu pai numa hora dessas. Respeite o seu pai, afinal ele um defunto. Respeite a memria dele... quer dizer... eu no quero dizer nada porque minha mente est toda embaralhada.

MICK: Me, eu acho melhor a gente telefonar para o mdico pr confirmar e tambm pr perguntar se para fazer o enterro ou no.

MULHER: ノ mesmo. Eu vou ligar.

ASTROGILDO: Isso mesmo. E depois j pode ligar para a funerria e encomendar o meu caixo. (cantarolando)..."quando eu morrer, me enterre na Lapinha".

MULHER: (com o telefone na mo). Pare com isso Astrogildo. Pare de cantar essa msica. Voc quer deixar a gente mais nervosa ainda? (disca um nmero)

VOZ DO MノDICO: (Atendendo o telefone). Clnica do doutor Ado Steinburg Hesendorg de Nictolis bom dia!

MULHER: - Al... doutor Ado? Tudo bem? Aqui dona Zenaide, mulher do Astrogildo, que morreu mas no morreu. Quer dizer, aquele que o senhor diz que morreu mas est vivo. O senhor entende n?

VOZ DO MノDICO: Perfeitamente dona Zenaide. Olha a senhora pode ficar sossegada. Seu marido j era! Pode encomendar o seu vestido de luto e mande-o deitar j. Ah... e no se esquea de me convidar para o enterro.

MULHER: Mas doutor como que pode? Ele est morto mas continua vivo...

VOZ DO MノDICO: Eu no posso fazer nada, dona Zenaide. O corao dele no est batendo, a pulsao parou entende? Ele est clinicamente morto. E lugar de morto a senhora sabe onde no mesmo? Este mundo dos vivos.

MULHER: (desolada). Est bem doutor... Obrigada... Olha, o enterro ser amanh. (desliga o telefone).

RICKINHO: Ento me, o que o mdico falou?

MULHER: ノ verdade (chorando) seu pai est morto.

ASTROGILDO: (triunfante outra vez). No falei? Eu no sou "cara" de mentir no. Quando eu falo que t morto porque t morto mesmo. E tem outra, eu sou o nico defunto que vai assistir ao prprio velrio. Riquinho, vai buscar o meu terno no alfaiate, aquele que eu mandei cerzir. Eu quero ser enterrado com ele.

Cenrio: Apagam-se as luzes. Enquanto a sala preparada para o Velrio (caixo, flores, troca de roupa) uma pessoa levanta-se na platia com foco iluminando-a e comea a ler um jornal.

PESSOA DA PLATノIA: Vejam s isso! Astrogildo morreu. (lendo:) Convidamos os amigos e familiares ao enterro de Astrogildo Gergolomano Souza Santos de Souza, a se realizar na rua Cova Rasa, sem nmero, Cemitrio do Adeus. Bairro dos que no voltam. Incrvel! Eu falei com ele ontem. Justo agora que ele me devia uma grana! ノ nessa eu acho que dancei... A morte no espera por ningum mesmo... Vou dar uma passadinha l mais tarde. Pobre Astrogildo! (senta-se novamente aps o foco nela se apagar).

Cenrio: As luzes se acendem.

ASTROGILDO: Ento, como estou?

MULHER: Digno de um defunto !

Os convidados comeam a chegar. Do o tradicional "psames" mulher, e se dirigem ao caixo.

MARIA GORDA: (olhando para o defunto). Coitado! Este sim era um homem bom.

ASTROGILDO: Apoiado! Alm de ser homem, eu era bom. No sei o que era melhor. Ser mais bom, ou mais homem.

SR.ANSELMO: ノ, mas os bons sempre se vo mesmo... Pobre Astrogildo!

ASTROGILDO: No o seu caso, "velho unha de fome". Vai ficar mofando a vida toda aqui na terra.

SILVIA: Pobrezinho. Quisera fosse eu.

OSWALDO: E a cara? Que furada hein? J que voc bateu as botas, d pra me emprestar o carro pr sair com umas gatas?

ASTROGILDO: Nem morto!

OSWALDO: Iii o cara, a ! T legal. T legal.

SR. CLEMENTE: Astrogildo, amigo velho,. Lembra-se de nossas farras? E agora? Quem vai farrear comigo?

ASTROGILDO: Calma, Clemente. Assim voc me mata de tristeza.

SR. CLEMENTE: Mas voc j est morto, Astrogildo!!!

ASTROGILDO: Eu sei, imbecil. ノ fora de expresso.

MノDICO: (chega ao enterro). Como est Astrogildo ? Est melhor ?

ASTROGILDO: Mais ou menos ! Doutor, eu estive pensando: Estou morto no estou? Depois do meu velrio, eu vou ter que entrar aqui neste caixo para ser enterrado, no ? E quando a tampa deste caixo se fechar, o que vai acontecer comigo?

MノDICO: Bem Astrogildo? Teu futuro no vai ser muito bom no!

ASTROGILDO: Como assim doutor?

MノDICO: Astrogildo, eu j lhe falei do nico remdio que pode reverter esta situao, mas voc no quer me ouvir.

ASTROGILDO: Doutor, eu j estou cansado de experimentar isso, experimentar aquilo. Pr mim isto no funciona. Estes remdios nunca me ajudaram em nada. Eu estou cansado dessa situao. Eu preciso de uma resoluo.

MノDICO: Eu entendo Astrogildo! O problema que voc est desiludido por ter passado sua vida inteira tomando os remdios errados. Este diferente, este pode te ajudar.

ASTROGILDO: Como o Senhor me garante que esse remdio vai resolver o meu problema ?

MノDICO: Astrogildo, sinta o meu corao. Hoje ele bate, mas um dia j esteve to morto quanto o seu. Foi quando tive a oportunidade de conhecer este remdio e decidi tom-lo. E por isso que hoje eu estou aqui falando pr voc. Quer mais provas do que isto?

ASTROGILDO: No ! O senhor me convenceu, afinal onde est o remdio? Aquele tal de Complexo J, no ?

MノDICO: ノ, o Complexo J, pera que eu vou pegar no carro.

(Mdico sai).

SR.ANSELMO: (enquanto cheirava as flores do caixo). Atchim!! Atchim!!!!

MULHER: Rpido. Acudam! O velho est tendo uma crise!

SR.ANSELMO: Atchim!! Atchim!!!!

Oswaldo e Rickinho seguram o Sr. Anselmo.

SILVIA: O mdico. Cad o mdico?

MARIA GORDA: Eu o vi saindo!

MICK: Vamos l levar o homem. Se no ele morre tambm!

Todos saem ficando apenas o Astrogildo.

(Mdico retorna com uma Bblia).

ASTROGILDO: (assustado) Que remdio enorme!

MノDICO: Mas este o nico que vai resolver o seu problema. Calma, vamos ler a bula.

Indicao: Contra todos os males do corpo, alma e esprito.

Contra-indicaes: Nenhuma.

Posologia: Dose nica, seguida de confisso de Jesus Cristo como nico Senhor de sua vida.

Efeitos: Alegria, paz, mansido, domnio prprio...

ASTROGILDO: Puxa Doutor! É isso mesmo que eu preciso.

(Astrogildo toma o remdio)

MÉDICO: Agora repita comigo:

EU, ASTROGILDO,

MÉDICO: CONFESSO QUE SOU PECADOR...

MÉDICO: PEヌO PERDテO E ENTREGO TODA A MINHA VIDA ...

MÉDICO: EM TUAS MテOS, JESUS CRISTO.

MÉDICO: TU ÉS O ÚNICO SENHOR E SALVADOR DE MINHA VIDA.

( Comea-se a escutar o corao batendo).

MÉDICO: O que voc est sentindo?

ASTROGILDO: No sei explicar, mas alguma coisa diferente que eu nunca havia sentido.

MÉDICO : ノ, eu tambm no soube descrever quando isto ocorreu comigo. Eu me senti seguro.

ASTROGILDO: ノ isso! Eu me sinto seguro. ノ como se eu tivesse feito algo certo.

MÉDICO: Voc fez a coisa certa. Lembra dos outros remdios que voc tomou?

ASTROGILDO: Ah, no quero nem me lembrar.

MÉDICO: Pois , este um remdio muito especial. Curou seu esprito, salvou sua alma.

ASTROGILDO: Curou meu esprito ?

MÉDICO: Isto mesmo. Outros remdios ajudaram o seu corpo, mas nunca curaram seu esprito.

ASTROGILDO: Entendo. (pausa). E a minha famlia?

MÉDICO: Eles nunca foram ao meu consultrio. Nunca tive oportunidade de receitar o Complexo J para eles.

ASTROGILDO: Ento eles tambm esto mortos ?

MÉDICO: Sim. E no sabem disso! E assim como eles, ainda existem muitos por a! Almas vazias, sem vida para com Deus, como sepulcros invisveis, os quais os homens passam sem sequer perceber, vidas ocas, que no inspiram ningum!

Mas graas a Deus por Jesus Cristo, que pela sua morte trouxe vida a todos ns! Para que aqueles que vivem, no vivam mais para si mesmos, mas para Aquele que por eles morreu!

Pois quem quiser salvar a sua vida, perde-la-, mas quem a perder por amor ao evangelho, aquele que negar a sua prpria vontade e morrer para si mesmo, este sim encontrar vida, vida em abundncia. Pois Jesus o Caminho e a Verdade, Ele a Ressureição e a Vida, todo aquele que nEle crê, ainda que morra, viverá ... Eternamente!!

You can leave a response, or trackback from your own site.
Powered by Blogger